seis estão me seguindo

Hora

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Continuo sem senso...

30 comentários:

João Menéres disse...

Como sem senso, se ALUMIAS o nosso espírito ?
Fantástica lanterna que a tua mão conduz !

A minha admiração permanente, TONHO.

Um abraço ALUMIADO.

Li Ferreira Nhan disse...

Sem senso?
...
Penso: Tonho vc é imenso!
beijo

Li disse...

Sem senso??? Affeeeee
Beijo grande!
Li

Batom e poesias disse...

Tens a sensatez dos poetas, Tonh0.
Alumia até com teus escuros.

Bjs
Rossana

LunETta disse...

DioGENES..

Lara Amaral disse...

Que lindo, Tonho! Muito poético, adorei!

Beijo.

MIRZE disse...

Que lindo, Tonho!

Se isso é sem senso, continue assim.

Alumie a gente com sua genialidade!

Beijos

Mirze

valquiria calado disse...

Esse trampolim do dia pra noite, viria a calhar nos dias chatos. Abraço.

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. O romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.
Luís Fernando Verissimo

Marcos Satoru Kawanami disse...

"Que lindo, Tonho! Muito poético, adorei!" (2)

O.o
Satoru

myra disse...

muito senso em tudo que cria!!!!
fantastica esta lanterna!
beijossssssssssssss

Berzé disse...

"Transporta o ceu para o chão"
Continua assim Tonho.Grande caminhante.
Abração!
Berzé

Lengo D'Noronha disse...

Andas com muita luz!
Muito bom!

Abraço.

Ramiro Conceição disse...

Tonho,
acabo de chegar do Bar do Bardo...


DESFRUTA
by Ramiro Conceição

É, eu tive sorte…
Por não perder o norte
mesmo sem embarcação.
Sim, eu tive sorte…
Por inventar jogos, artifícios,
ofícios – ao pó sedimentado
no corredor, entre a sala-de-estar
e o quarto do insone computador.
É, eu tive sorte…,
pois, a tempo, aprendi
que a vida é uma fruta
que a morte… desfruta.


PS: Saudações poéticas

Em@ disse...

Olá como vai?
eu vou indo, eu vou indo...

que poeticamente irónico, Tonho.
amei!
beijo
em@

Adriana Karnal disse...

são tantos os lados do poema.....que a lua miando, ou a lua mirando ou a lua meandros...é vocÊ: iluminando. Ah, seu iluminado!!!

expressodalinha disse...

Este é dos que eu gosto mais. Luz que sai da luz e ilumina as trevas.

Ramiro Conceição disse...

Então, Tonho, que acabei de conhecer,
por favor, abramos juntos essas portas…


A DIFERENÇA
by Ramiro Conceição

A diferença entre a Arte
e tais ínfimos senhores
é que eles são somente
essas contas-correntes
com seus juros, enquanto Ela
é um rio corrente - ao futuro.


O VELHO ADAMASTOR
by Ramiro Conceição

Após cada sábado,
a fazer sol ou pingos,
sempre…
jogos de bingo.
É, de belzebus
d’olho no patrimônio
do velho Adamastor,
a casa ficava atulhada
de espelhos - do amor -
todo domingo.

Durante bimestres,
Adamastor não partiu.
Durante semestres,
Adamastor resistiu.
Passaram-se anos…
Porém,
pouco a pouco,
naquela casa,
só ficou o pó
da canalha…

Por fim, o velho Adamastor,
que tudo fingia e nada dizia,
finalmente, um dia… sorriu!

Qual é a moral dessa história
capitalista… e tão humana?
Ora,
a morte não tolera zombarias:
aqui se canta, aqui se cala;
aqui se afana, aqui se afaga;
aqui se é luz - aqui se apaga!

Eraldo Paulino disse...

LUZo.

Abraços que dispensam saber tudo!

# Poetíssima disse...

Gostei e volto..
Abraços nossos,
Poetíssima. #

VENES disse...

TrAnCENDEU poesia!

Este é o MESTRE!

:^)

Mariza Delandrea disse...

Tonho,

Intensamente M A R A V I L H O S O!!

Grande abraço!

Mariza Delandrea
http://subolhar.blogspot.com

Ramiro Conceição disse...

DE PÉ
by Ramiro Conceição

Dentro do possível inventar DE PÉ, mesmo quando quase morto. Ao Amor, trabalhar DE PÉ mesmo quando for somente uma esperança. Sim, sempre DE PÉ diante de qualquer cotidiana ditadura dissimulada ou de qualquer sadomasoquista religião prostrada. DE PÉ, sonhar e permitir à continuidade da Vida, da Poesia, mesmo no tempo da hipocrisia… DE PÉ, escrever mais e mais, principalmente diante do nunca mais da eternidade que é bastante, pois a mediocridade, efetivamente, não se basta.


by Ramiro Conceição

De dentro de uma dor,
a melhor coisa - é a fé,
que ensina a pensar-sentir de pé.
O resto é fé que mata, e não cria!

byTONHO disse...



Caro Ramiro

Obrigado pelos comentários,
mas para interagirmos precisa-se de "sinais".

Deixa um e-mail ou o endereço do teu blog.
"Assim... tu estás falando sozinho, meu caro."

:o)

Ramiro Conceição disse...

Infelizmente, Tonho, não tenho blog...
Entendo, claramente, a sua delicada observação...
Porém, não creio que estou a falar sozinho...
Contudo, ficarei quieto nesse meu bocejo...Cuidarei com mais cuidado desse Jardim...

PS: faz dois dias que estou a criar com a sua trilha sonora..

Ramiro Conceição disse...

desculpe-me, Tonho: é óbvio que tenho e-mail: ramirocn@usp.br

Sam disse...

de sem senso que nos entendemos mais! rsrs
Beijos querido
Samara Bassi

Sam disse...

vou andando, caminhando te seguindo.

Meu carinho, Tonho
Samara Bassi.

myra disse...

estupendo cabeçalho!
beijossssssssssssssssss

aprofessoratialilian disse...

Tonho estava visitando o blog do Biratan quando encontrei alguns de seus trabalhos.Eles são como seu blog:Belíssimo.

Ramiro Conceição disse...

Tonho,
li o seu e-mail, grato
(minha maneira de agradecer é poeticamente).

Então...



JURAMENTO DA VIDA
by Ramiro Conceição


“Após milênios,
vinda de longe,
cheguei à mera conclusão
de qu’estou apta a decifrar
esse mistério de tudo
onde sou nata e grata…
Eu juro:
o Amor
é fruto, pele
e conteúdo!”